loading...

Centenas de pessoas juntam-se em vigília de homenagem a animais mortos em incêndio de Santo Tirso



Petição, com milhares de assinaturas já recolhidas, reclama justiça.Várias centenas de pessoas concentraram-se durante a noite de segunda-feira junto à Câmara Municipal de Santo Tirso para protestar "contra o massacre" ocorrido no fim de semana na serra da Agrela, em que 54 animais de um abrigo ilegal morreram num incêndio.

"Estamos a protestar contra a inação da Câmara de Santo Tirso, que apenas reagiu à 01h00 de domingo", acusou António Soares, um dos quatro promotores da vigília.

Perante um número crescente de pessoas que continuava a chegar à praça em frente dos Paços do Concelho, António Soares anunciou as exigências que quer ver garantidas pelo município liderada por Alberto Costa.

"Queremos justiça para os animais e que seja aberta uma investigação ao canil, à inação da câmara e que esta faça um rastreio de todos os canis ilegais que há no concelho, que os legalize e que apoie as associações", defendeu.

Para António Soares, "os culpados deste massacre são a câmara, pela sua inação, pois há muito tempo que sabia da existência do canil [Cantinho das quatro patas] e que não tinha condições para albergar aqueles animais, onde eram maltratados e nada fez", assim como a GNR e os proprietários.

"A GNR também tem culpa porque não reagiu e pactuou com o massacre que aconteceu no passado fim de semana", considerou, acusando "os proprietários" de "serem de um egoísmo extremo, pois puseram o dinheiro à frente de qualquer vida".

Na concentração, onde se viam famílias, jovens ou idosos, as diversas intervenções, ao longo de quase hora e meia de duração, foram ora ovacionadas, ora interrompidos com gritos de "assassinos" e "cobardes", sempre dirigidas aos donos do abrigo ilegal consumido no sábado por um fogo proveniente de Valongo.

A Polícia Municipal acompanhou de perto a concentração, posicionando-se entre a praça e a entrada dos Paços do Concelho.

O ministro da Administração Interna determinou hoje a abertura de um inquérito à atuação da GNR e da Proteção Civil no incêndio que matou 54 animais.

Já a Procuradoria-Geral da República anunciou a abertura de um inquérito.

Segundo a GNR, a morte dos animais no incêndio não se deveu ao facto de ter impedido o acesso de populares ao local, mas à dimensão do fogo e à quantidade de animais.

A morte de 52 cães e dois gatos carbonizados motivou reações dos partidos políticos, com PAN, BE e PCP a exigirem explicações do Governo.

O partido Pessoas Animais e Natureza (PAN) informou que apresentou queixa ao Ministério Público por "crime contra animais de companhia".

O PEV propôs hoje que o parlamento recomende ao Governo para que faça um levantamento nacional de abrigos particulares como os de Santo Tirso.

Secundando os partidos, a associação Animal pediu ao Governo e ao parlamento para que sejam apuradas responsabilidades.

Uma petição, com milhares de assinaturas já recolhidas, reclama justiça.

Fonte e foto: CM

Comente com o Facebook:

INFORMAÇÃO

Algumas fotografias utilizadas neste blog e alguns artigos são provenientes de outras fontes como Jornais, Revistas, Blogues, órgãos de comunicação social, bases fotográficas estrangeiras e motores de busca. Todos os artigos tem a fonte da foto e da noticia no final do mesmo. Se alguma entidade se sentir lesada ou não permitir a utilização de algum conteúdo utilizado neste sítio comunique-nos, por favor, e prontamente será retirado.